Quais são os principais tipos de cirurgia da coluna

Quais são os principais tipos de cirurgia da coluna?

Pensando em deixar esse conceito cada vez mais claro, reunimos algumas perguntas frequentes sobre tipos de cirurgia da coluna neste artigo.

Sempre que um paciente recebe um diagnóstico de cirurgia da coluna, muitas perguntas aparecem. São comuns as dúvidas sobre recuperação, cuidados pré-operatórios, sobre a necessidade da cirurgia e o procedimento em si.

Pensando em deixar esse conceito cada vez mais claro, reunimos algumas perguntas frequentes sobre tipos de cirurgia da coluna neste artigo. Confira:

Como classificar o procedimento cirúrgico

Para melhor entendimento, podemos classificar a cirurgia da coluna a partir de sua finalidade em dois tipos: procedimentos que buscam definir ou esclarecer um diagnóstico e procedimentos para corrigir ou amenizar doenças da coluna.

Procedimentos para diagnóstico

São procedimentos que buscam definir ou esclarecer a enfermidade de determinado paciente analisando aspectos específicos sobre a natureza dessa enfermidade. Entre estes estão:

  • bloqueios facetários diagnósticos;
  • bloqueios radiculares seletivos;
  • biópsias cirúrgicas das estruturas anatômicas da coluna vertebral, como disco invertebral, ou de anormalidades estruturais, como coleções, abcessos ou tumores.

Procedimentos terapêuticos

São procedimentos que têm a finalidade de corrigir ou amenizar problemas que estejam relacionados com enfermidades que acometem a coluna vertebral. Entre os procedimento se encontram:

  • bloqueios farmacológicos terapêuticos (facetários, epidurais e radiculares seletivos);
  • rizotomias facetárias por radiofrequência;
  • implante de neuroestimuladores medulares;
  • implante de bombas de infusão intratecal de fármacos (para dor ou espasticidade);
  • vertebroplastias;
  • cifoplastias;
  • cirurgias endoscópicas;
  • cirurgias minimamente invasivas por via anterior ou posterior;
  • cirurgias convencionais.

Todos os procedimentos acima mencionados podem ser realizados por diversas finalidades muito específicas, dependendo da necessidade e da natureza clínica de cada paciente.

Quais são os tipos de cirurgia da coluna que existem?

Além de podermos classificar as cirurgias na coluna usando sua finalidade, podemos utilizar o procedimento em si como dividir o tratamento cirúrgico em duas categorias: cirurgias minimamente invasivas e os procedimentos convencionais.

O que é a cirurgia minimamente invasiva?

Podemos afirmar que todo e qualquer procedimento com finalidade terapêutica ou diagnóstica que seja realizada por meio de incisões cirúrgicas pequenas ou de maneira percutânea pode ser considerada uma cirurgia minimamente invasiva.

Entre esses procedimentos estão bloqueios na coluna, biópsias por agulha, vertebroplastias, cifoplastias endoscopias da coluna e artrodeses da coluna vertebral percutâneas.

A cirurgia minimamente invasiva pode ser realizada para tratar várias enfermidades, como:

  • algumas doenças degenerativas da coluna associadas à síndromes dolorosas;
  • hérnias discais;
  • alguns tipos de fratura na coluna vertebral;
  • deformidades específicas.

Assim como qualquer outro procedimento, esse tipo de cirurgia tem contraindicações. Entre elas estão deformidades do tipo escoliose de alto grau, fraturas complexas, tumores na coluna vertebral associadas à compressão e deformidade estrutural significativa.

Além disso, para pacientes que apresentam patologias extensas da coluna vertebral ou infecções na área não é indicada a cirurgia minimamente invasiva.

Isso porque, no primeiro caso, são doenças que podem estar causando compressão de múltiplas estruturas anatômicas e no segundo, estar associada à instabilidade biomecânica e o paciente não apresentar condições clínicas adequadas de passar pelo procedimento.

Quando proposto e realizado adequadamente, o procedimento minimamente invasivo tende a produzir menor desconforto no paciente. Também trazem menor dor no período pós-operatório e causam menos sangramento que os procedimentos convencionais.

Esses aspectos acabam por trazer uma recuperação mais rápida e tranquila ao paciente, favorecendo a mobilização precoce quando comparado ao tratamento cirúrgico aberto.

Como são realizados os procedimentos convencionais?

Os procedimentos convencionais também são conhecidos como procedimentos cirúrgicos abertos. É uma cirurgia mais invasiva do que os procedimentos citados anteriormente.

Porém, assim como os procedimentos minimamente invasivos, a indicação desse tipo de cirurgia vai depender de uma análise completa e detalhada do prognóstico do paciente e seu estado clínico.

Para passar por um procedimento convencional, o paciente precisa ter as condições clínicas adequadas, pois é um processo que envolve anestesia geral. Em cada paciente, dependendo da natureza da doença da coluna, podem ser necessárias estratégias e anestésicos específicos.

É importante ressaltar que, mesmo sendo uma cirurgia de natureza convencional, será realizada a menor incisão possível no paciente, controlando ao máximo o sangramento durante o procedimento e observando a analgesia adequada para o período pós-operatório.

Os procedimentos convencionais são indicados para todos aqueles casos que são contraindicados para a cirurgia minimamente invasiva. Todas as peculiaridades que citamos no item anterior se encaixam aqui.

Além disso, também estão nessa categoria os procedimentos de revisão de pacientes operados previamente com o uso de implantes e que, por razões de natureza médica, precisam realizar a substituição dos mesmos.

Apesar de abarcar as contraindicações da categoria anterior, podem existir contraindicações para a cirurgia aberta. A pacientes que não conseguem compreender o procedimento, que não aceitam o planejamento cirúrgico ou que não estejam em condições físicas, o procedimento convencional não é indicado.

A esses pacientes é indicado tratamento convencional com medidas de cuidado paliativo ou tratamento adicional com especialistas em dor e outras terapias de natureza conservadora de modo a ofertar a melhor qualidade de vida possível.

O período de recuperação de uma cirurgia convencional depende de uma série de fatores de natureza individual. Nessa fase, os pacientes podem precisar de analgesia específica e medidas de terapia adicional, como fisioterapia, assim que a condição clínica permitir.

Em casos muito específicos, pode se fazer necessário o acompanhamento de médicos de outras especialidades durante o pós-operatório para proporcionar o cuidado assistencial adequado ao paciente.

Existem tratamentos cirúrgicos específicos indicados para determinadas doenças da coluna?

Para cada caso e para cada paciente sempre existirão procedimentos específicos.

Como finalidade geral, os procedimentos são indicados baseando-se nas características clínicas e nos resultados dos exames físicos e exames complementares.

Pode-se ainda se levar em consideração o tipo de resposta clínica a tratamentos prévios realizados e a condição física e do estado geral do paciente nesta tomada de decisão.

Nesse processo, as expectativas do paciente em relação ao tratamento cirúrgico devem ser alinhadas aos objetivos definidos pelo cirurgião.

Se você ainda tem dúvidas sobre um diagnóstico que recebeu ou apenas quer entender melhor o tópico, entre em contato e agende uma consulta.

A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO CORRETO

Não substitua a consulta médica presencial

Por mais que seja tentador encontrar as respostas para sua dor na internet, alertamos que nenhuma informação deste portal, e de qualquer outro, substitui o diagnóstico feito por um médico. As dores nas costas podem não ser sintomas isolados, mas fazer parte de uma série de sintomas que apenas um profissional especializado conseguirá entender e diagnosticar.

Lembre-se: sua coluna não se comunica sozinha.
home-drfabio

DR. FABIO DOS SANTOS

CREMERS 17845

Médico Neurocirurgião, mestre em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul com foco em Cirurgia de Coluna Vertebral e Tratamentos Minimamente Invasivos na Coluna… Saiba mais.

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

LEIA TAMBÉM: